A transformação digital nas agências de viagens e empresas de turismo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Artigo escrito para Revista Festuris, edição de Setembro de 2020, falando sobre a importância deste processo para empresas do turismo e agências de viagens.
Tempo de leitura: 2 minutos

O ano de 2020 certamente ficará marcado na história pela epidemia de Coronavírus e seus impactos em nossas vidas e negócios. Afastamento social, protocolos de segurança e processos novos nas empresas, que de uma hora para outra viram a necessidade de trabalhar em regime remoto e abandonar seus escritórios físicos.

Alguns empresários, que antes relutavam para a transformação digital de suas empresas, não tiveram escolha senão acelerar o processo há tempos adiado. Outros ainda sequer iniciaram este processo e claro que temos exemplos já bem avançados nesta transformação, principalmente grandes empresas e OTAs.

Em minhas palestras e mentorias alerto há algum tempo sobre o surgimento de novas tecnologias digitais que transformam modelos, processos e regras de negócios. Essas mudanças não estão apenas no Turismo, mas em todos segmentos e, embora algumas destas tecnologias ainda não ofereçam ameaça direta ao nosso mercado, precisamos estar um passo à frente se quisermos continuar relevantes e explorá-las para o bem de nossas empresas e clientes.

Antes de me aprofundar mais no tema preciso deixar claro que transformação digital não tem a ver com tecnologia, mas com novas maneiras de pensar e estratégia. Tecnologia não deve ser mais encarada como uma área de formação, mas como uma competência que todos devemos ter em algum grau.

Dito isso, deixar a transformação digital a cargo somente do Líder de TI é um erro que muitas empresas cometem com frequência. Essa é uma responsabilidade de toda a empresa! O departamento de tecnologia das empresas e seus gestores, antes encarados como função de suporte para os negócios devem serem vistos como estratégicos, participando da redefinição do core business (negócio principal).

A empresa incapaz de adaptar-se, terá seu velho modelo invalidado e ficará pelo caminho. A transformação digital nas agências e empresas do turismo deve focar principalmente em 5 pilares:

Digitalização da empresa

Visando otimizar e controlar recursos e processos, além de preparar seu negócio para concorrer com empresas de outros setores, que flertam com os clientes através de suas novas ofertas digitais.

Digitalização da experiência do ciente

Criando valor e experiências positivas através das novas formas de relacionamento, centrado nas necessidades do cliente e não nas da empresa.

Novas ofertas digitais

A tecnologia traz a oportunidade de criamos um produto inovador, testando novas ideias e conceitos de forma rápida e barata, o que antigamente era inconcebível e hoje é o novo padrão. Essa nova oferta pode inclusive se tornar o seu principal produto e remodelar completamente o seu negócio.

Novas formas de trabalho

Criação de times multidisciplinares, levando em consideração práticas ágeis e conceitos de auto-gestão, com times orientados de forma vertical (squads e tribos – agrupados por produtos) e horizontal (chapters e guilds – agrupados por skils). Além disso, uma relação de trabalho voltada a qualidade da entrega e não tão somente a quantidade de horas trabalhadas no escritório.

Dados

Decisões orientadas a dados serão essenciais para seu negócio, acredite em mim!

Os dados que eram tradicionalmente caros de obter, armazenar e utilizar, hoje são gerados em quantidades sem precedentes, com custos de armazenamento e gestão acessíveis, sendo ainda o maior desafio a transformação destes dados em conhecimento e sabedoria relevantes para seu negócio.

Tenho certeza de que o mercado do turismo é muito promissor e será um dos responsáveis pela retomada econômica não só do Brasil, mas do mundo inteiro. No entanto, tudo que digo neste artigo não são tendências de futuro, mas uma realidade do novo mercado que se apresenta e que todos devemos estar preparados.

Daniel Turbox

Daniel Turbox

MBA em Tecnologia para Negócios com ênfase em Data Science, Big Data e Inteligência Artificial pela PUCRS, bacharel em Turismo e especialização em Organização e Gestão de Eventos pela Universidade Anhembi-Morumbi. Estou no mercado há 19 anos com experiência em diversos segmentos do turismo. Meu maior prazer é ensinar através de cursos e palestras!

Deixe um comentário

Receba Nossa Newsletter

Rolar para cima