O desafio da Inovação no Turismo

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Fazemos parte de um mercado tradicional, muitas vezes carente de pensamentos, processos e ferramentas avançadas, mas que tende a mudar com a busca pela inovação. Em minha palestra durante a Festuris 2020 falo sobre quão complexo é mundo que vivemos, a diferença entre crescimento linear e crescimento exponencial, o Efeito Cisne Negro (bem comum em nosso setor), e muitos temas relacionados à criatividade, já que o processo criativo é base da inovação.
Tempo de leitura: 2 minutos

Você que acompanha meu trabalho já me ouviu falar que devemos buscar conhecimento, referências e práticas de outros mercados, olhar para fora do turismo mesmo! Essa é a chave para a inovação no turismo, pois acredite que soluções antigas não resolvem problemas novos!

E como podemos inovar no turismo?

Irei usar duas frases para me ajudar na contextualização da explicação. A primeira é do Steve Jobs:

“A inovação geralmente é resultado de conexões entre experiências pessoais. Se você tiver as mesmas experiências que todas as outras pessoas, é improvável que você consiga olhar em outra direção.”

E a segunda de Larry Hirst (um dos antigos presidentes do conselho de administração da IBM):

“Invenção é transformar dinheiro em ideias, inovação é transformar ideias em dinheiro.”

Podemos entender que não existe inovação sem criatividade, já que a inovação é a aplicação prática da criatividade, ou seja, uma ideia criativa só será considerada como inovação se for aplicada e gerar valor. Do contrário não passará de uma invenção.

E para que haja criatividade é preciso que uma pessoa possua conhecimentos em segmentos diversos, muitos deles alheios a sua área de especialização.

T-shaped skills

Há uma metáfora usada para descrever as habilidades das pessoas enquanto profissionais, as habilidades em forma de T ou T-shaped skills, que ilustra como você pode entender esses conhecimentos.

A “perna” vertical da letra T indica as habilidades em que você é especialista e a horizontal indica os seus conhecimentos não profundos (generalista), ou seja, um profissional com capacidades em diversas áreas, mas expert em uma delas.

Quer saber como pode aumentar a sua “perna” horizontal de habilidades? Leia livros, revistas, assista à documentários, palestras (como TED Talks por exemplo), ouça podcasts, faça cursos (online ou offline), participe – ativamente – de grupos de discussões, clubes e MasterMinds.

Somente adquirindo habilidades nas mais diversas áreas que conseguiremos realmente inovar e resolver as dificuldades do turismo. Estamos juntos nesta?

Se quer saber mais sobre este tema convido a assistir minha palestra na Festuris 2020 sobre este tema:

Daniel Turbox

Daniel Turbox

MBA em Tecnologia para Negócios com ênfase em Data Science, Big Data e Inteligência Artificial pela PUCRS, bacharel em Turismo e especialização em Organização e Gestão de Eventos pela Universidade Anhembi-Morumbi. Estou no mercado há 19 anos com experiência em diversos segmentos do turismo. Meu maior prazer é ensinar através de cursos e palestras!

Deixe um comentário

Rolar para cima