O Futuro dos Agentes de Viagens

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
O futuro dos agentes de viagens é um tema muito complexo, mas trago neste texto uma abordagem simples de como devemos focar nosso olhar.
O futuro dos agentes de viagens
Tempo de leitura: 2 minutos

A primeira coisa que você deve fazer agora é encontrar o SEU jeito de vender viagens. O seu jeito, só você faz! É isso que tornará sua entrega única e só assim você poderá se diferenciar no mercado de agenciamento. Isso independe de recursos, é basicamente inovação!

A inovação depende da criatividade que por sua vez depende das experiências e conhecimento prévio que você carrega.

Se você copia o que outro Agente faz, você concorrerá com todos aqueles que fazem daquele mesmo jeito. Por isso não acredito que fórmulas mágicas e métodos únicos possam resultar em diferencial competitivo.

Tem uma frase do Steve Jobs que diz o seguinte: “A inovação é geralmente o resultado de conexões de experiências passadas. Mas se você tem as mesmas experiências que todos os outros, é improvável que você olhe em uma direção diferente.”

Quem me acompanha sabe que incentivo olharmos em direções diferentes, aprendermos com outros segmentos para inovar no Turismo.

Hoje mais cedo tive uma reunião com uma agência para falarmos do @appmeuagente. A conversa fluiu e acabamos falando do modelo de Transaction Fee para contas corporativas. Na minha concepção um modelo ultrapassado e totalmente inviável financeiramente nos dias de hoje. Além disso, quem oferece este modelo acaba sempre tendo as mesmas “features” que os concorrentes. Então qual a diferença entre fechar com a Agência A e a Agencia B? O valor do Fee? E o valor do serviço entregue, como fica?

A minha resposta para essa agente foi um convite a reflexão: E se nosso mercado utilizar modelos de recorrência já usados em outros setores? E se ao invés de cobrar por transação, for cobrado por número de viajantes (usuários) ou ainda pela grade de serviços ofertados (features) como o Netflix, por exemplo.

Não quero aqui dizer que há um modelo pronto para nosso setor ou que eu tenho todas as respostas, mas que se queremos nos manter relevantes no mercado precisamos parar de seguir padrões moldados há 10, 20, 30 anos e criar nossos próprios formatos baseados no que já funciona por aí, usando todas as ferramentas que temos a disposição, sobretudo as tecnológicas e fazendo do NOSSO JEITO!

Para encerrar, trago outra frase que gosto bastante, desta vez do Peter Drucker, e que diz o seguinte: “A melhor forma de prever o futuro é criá-lo”. Qual o futuro dos agentes de viagens? Vamos criá-lo juntos!

Daniel Turbox

Daniel Turbox

MBA em Tecnologia para Negócios com ênfase em Data Science, Big Data e Inteligência Artificial pela PUCRS, bacharel em Turismo e especialização em Organização e Gestão de Eventos pela Universidade Anhembi-Morumbi. Estou no mercado há 19 anos com experiência em diversos segmentos do turismo. Meu maior prazer é ensinar através de cursos e palestras!

Deixe um comentário

Rolar para cima